LEGIONELLA

Manutenção 14/Abr/2020 71
LEGIONELLA

Quem tem medo da Legionela?



Arrisco a dizer que todos já ouviram falar nesta bactéria. Ninguém vai esquecer a epidemia de 2014 em Vila Franca de Xira e as suas consequências trágicas.

Fazendo um pouco de história, passo a explicar a origem da Legionella. Trata-se de uma bactéria que se transmite por via respiratória através na inalação de gotículas de água contaminada. Apesar de provavelmente já existir há muito mais tempo, foi apenas descoberta e diagnosticada em 1976 nos Estados Unidos da América.

A determinada altura desse ano, um pouco por todo o país, começaram a surgir indivíduos infetados que apresentavam sintomas idênticos aos da gripe, sobre os quais os medicamentos habituais não faziam qualquer efeito, tendo originado dezenas de mortes inexplicáveis.

Só seis meses depois, o Departamento de Saúde Americano, conseguiu determinar um ponto comum nos doentes infetados: todos tinham participado numa conferência num Hotel em Filadélfia e todos eram ex-combatentes de guerra. Eram Legionários e foi essa característica que acabou por dar nome à bactéria: Legionella.

Após investigação, foi possível encontrá-la e isolá-la no sistema de Ar Condicionado do Hotel.

E é aqui que chegamos ao objetivo fundamental deste artigo: será que podemos contrair esta doença através dos aparelhos de ar condicionado de casa, do escritório ou da loja?

Não existem registos de surtos da infeção provocados pela contaminação em sistemas domésticos ou de pequena dimensão, o que não quer dizer que não tenham ocorrido, mas pelo facto de não implicarem grande quantidade de pessoas infetadas, dificilmente seriam notícia.

Todos os caso de infeção através da Legionella foram encontrados em grandes sistemas abertos de refrigeração, apenas comuns em grandes edifícios de escritórios, hotéis, hospitais, centros comerciais ou em grandes unidades fabris. Foi assim em Vila Franca de Xira.

A bactéria da Legionella apenas se pode desenvolver em ambientes aquáticos, com águas estagnadas e a temperaturas entre os 35ºc e os 50ºc.

Nas unidades de ar condicionado domésticas ou de pequena potência, isso só pode ocorrer através da água que resulta da condensação da humidade do ar quando atravessa as baterias.

Se, de forma continuada e sistemática, os equipamentos não forem sujeitos a operações de manutenção e desinfeção, é evidente que existe um risco de contaminação, baixo, mas real.

Razão mais que suficiente para incentivar todos os proprietários e utilizadores de ar condicionado a procederem a operações de manutenção periódica. Se não estivermos a evitar a Legionella, estaremos garantidamente a reduzir a ocorrência de outras doenças e alergias respiratórias, tais como a rinite, a sinusite, a bronquite e alguns tipos de asma.

A manutenção em unidades de ar condicionado, não significa apenas limpar ou substituir filtros: é também necessário lavar e desinfetar os tabuleiros de condensados, as serpentinas (baterias) e os ventiladores através de procedimentos e produtos anti-bacterianos, pastilhas desinfetantes, operações que devem ser realizadas periodicamente, pelo menos, uma vez por ano. Tratam-se geralmente de intervenções de baixo preço, mas que devem ser realizadas por empresas especializadas.

Em conclusão, não existe nenhuma razão válida para não proceder a operações dos seus equipamentos de ar condicionado.


Será que o ventilador da sua unidade de ar condicionada está assim?


FAÇA MANUTENÇÃO