Chaminé

Aquecimento Central 06/Mai/2021 92
Chaminé

Os cinco fatores que tornam a chaminé o componente mais importante quando instalamos um equipamento a lenha


Quando temos que escolher um recuperador de calor a lenha, ou mesmo uma estufa ou caldeira, regra geral, preocupamo-nos com a marca e modelo do equipamento, com a potência térmica, com as dimensões e com a estética, mas quando chega a altura de proceder à montagem e temos que o associar a uma chaminé, esta é geralmente desvalorizada e cometem-se erros que depois vão custar-nos muito caro. É apenas uma questão de tempo.

A chaminé é o componente mais importante de uma instalação a lenha ou mesmo a pellets. Sem uma chaminé devidamente projetada e executada, de nada vale escolher o melhor equipamento do mercado. As coisas não vão correr bem.

A chaminé não é apenas um tubo que manda os fumos para o exterior. Ela é a principal responsável por um correto e eficiente funcionamento do do nosso equipamento a biomassa.

Assim sendo, o que é uma boa chaminé? Quais os critérios que devemos observar?

Se queremos associar ao nosso recuperador, estufa ou caldeira uma chaminé eficaz, temos de observar cinco fatores fundamentais:

MATERIAL

Devemos escolher uma chaminé metálica, em tubo rígido, preferencialmente em aço inox com uma espessura de chapa não inferior a 0,5 mm. Deve evitar-se, sempre que possível, chaminés em alvenaria ou chaminés em tubo flexível de parede interior rugosa.


DIÂMETRO

Embora o diâmetro de uma chaminé dependa de outro tipo de fatores, é um bom princípio, respeitar as dimensões de saída do equipamento. Por exemplo, se a boca de saída de fumos do equipamento é de 200 mm, deveremos optar por uma chaminé de igual diâmetro.


ALTURA

Todas as chaminés associadas a equipamentos de tiragem natural (geralmente equipamentos a lenha), deverão possuir, no mínimo, uma chaminé com 5 metros de altura. No entanto, como todos sabemos, nem sempre isso é possível, pelo que se tivermos que encurtar esse comprimento, devemos compensar aumentando o diâmetro da chaminé.


TRAÇADO

As chaminés devem, sempre que possível, evoluir na vertical e em linha reta. Se obrigatoriamente tivermos que realizar alguns desvios, eles não devem possuir ângulos de inclinação superiores a 45º, embora fiquemos a saber que estamos a introduzir uma fragilidade na nossa instalação.


ISOLAMENTO

As chaminés que expelem os fumos de qualquer tipo de equipamento de queima, devem ser isoladas termicamente. Em que situações? TODAS. Não existem exceções. Esta é, seguramente, a característica mais importante de uma chaminé e, provavelmente, aquela que é mais desconsiderada e desprezada.


Não associem os vossos equipamentos a chaminés de parede simples não isoladas. É um erro fatal.

Se não utilizar chaminés isoladas, os fumos vão arrefecer no trajeto de expulsão, torando-se mais pesados, dificultando a tiragem e provocando condensações pelo interior do tubo. Isso resulta em fumos a sair pela porta de carga de combustível do equipamento e escorrimentos de um líquido negro e viscoso que progressivamente se vai depositando e entupindo a chaminé, podendo, no limite, chegar a provocar incêndios. Aquelas coisas que pensamos que só acontecem aos outros.


Não é certamente isto que quer que aconteça ao seu equipamento de biomassa. Por isso, na hora da montagem, dê uma particular importância à chaminé.

Não facilite.